Conheça o design impactante das novas embalagens de cigarro no Brasil.

Anvisa-prope-novas-alertas-nas-embalagens-dos-cigarros Apesar de seu consumo diminuir mais a cada ano, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) ainda não está satisfeita com as leis referentes à venda de cigarros no Brasil. Os números, apesar de animadores, ainda são alarmantes e necessitam de atenção especial da instituição que se esforça para reduzi-los ainda mais. A mais nova proposta é a readequação das mensagens que se instalam na parte traseira das embalagens dos produtos que possuam tabaco, tornando-as mais diretas e incisivas.

As imagens retratando problemas causados pelo tabagismo começaram a ser utilizadas nos maços de cigarro, no Brasil, há 16 anos, desde 2001. Elas retratam alertas como “gangrena”, “infarto”, “impotência” e “morte” e, apesar de chocantes, continuam sendo ignorados por aproximadamente 10,8% da população brasileira ainda fumante, segundo dados da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico de 2014.

Com o intuito de fortificar a mensagem e trazer ainda mais à tona os problemas causados pela prática do tabagismo, a Anvisa propôs um novo design para a traseira dos maços de cigarro, além de nove imagens novas a serem utilizadas. Do ponto de vista do design, fontes maiores serão utilizadas, para chamar mais a atenção do consumidor, além de imagens mais “sombrias”e assustadoras.

Os nove modelos são:

- Você envelhece precocemente consumindo este produto.

- Você, grávida, corre o risco de ter um parto prematuro, perder o bebê e até morrer, consumindo este produto.

- Você morre de câncer de pulmão e enfisema consumindo este produto.

- Você brocha e fica impotente consumindo este produto.

- Você sofre o risco de trombose consumindo este produto.

- Você tem câncer na boca, língua e esôfago consumindo este produto.

- Você afasta as pessoas consumindo este produto.

- Você destrói a saúde de quem está ao seu lado consumindo este produto.

- Você perde a sua liberdade ao depender da nicotina consumindo este produto.

Com esses novos modelos, principalmente através do investimento em um design mais “assustador” e direto, pretende-se diminuir ainda mais a porcentagem de fumantes no país. Acompanhados de campanhas contra o tabagismo que já se instalam no país há mais de 20 anos, os novos modelos poderão salvar novas vidas e tornar o cigarro cada vez menos atraente para seus habituais consumidores.